quarta-feira, julho 12, 2006

Jesus Foi Um Péssimo Vendedor

Deus quer nos Salvar do Sucesso do Mundo.
k
Uma das maiores alegrias do meu pastorado é visitar recém nascidos e seus pais no hospital. Algumas vezes eu mesmo quero segurar o bebê. Nunca me canso deolhar para uma vida tão novinha e tão fresquinha, ainda não afetada pelos cuidados deste mundo. Esta é a razão porque fico um tanto desalantado quando sei que os bebês são rotineiramente avaliados no dia em que nascem. Muitos dos novos pais em nossa igreja ficam também desalentados sobre essas avaliações, mas por razões diferentes.

Quando fui ver o bebê Kehl, encontrei Marta chorando silenciosamente enquanto embalava sua nova filha. Quando perguntei-lhe o que havia de errado, Marta disse que aquela beleza, novinha em folho, Sarah Louise, tinha dedo que virava ligeiramente pra fora. Ela tinha conseguido apenas nove numa escala de um a dez no hospital. Marta mostrou-me o dedo, e por mais que o olhasse não podia ver nada de errado nisso: "Não sei o que mais me aborrece", disse Marta, "eles terem feito este teste estúpido ou meu bebê ter feito apenas nove pontos". Isto foi o primeiro dia de vida de Sarah e ela já tinha problemas por não conseguir uma pontuação alta o suficiente.

A vida é um dom. Se realmente acreditamos nisso, tantar ganhar a vida seria ridículo. Jesus disse, "Todos aqueles que quiserem salvar as suas vidas, irão perdê-la". Tentar salvar a nossa vida nos leva a constante medições. Será que fiz o suficiente? Será que fiz todo o possível? Como me comparo com aqueles que estão ao meu redor? Será que estou deixando um legado suficiente que se lembrarão de mim após a minha morte? É implacável. Na verdade, não há um caminho melhor para perder a vida do que ficar constantemente medindo-a.

Nossa sociedade não pode avaliar sua saúde sem medí-la. Os jornais diários nos
oferecem outro índice sobre economia, emprego ou a popularidade de algum líder, como se esses fossem bons indicadores da qualidade da nossa vida em conjunto. Mas ainda temos de desenvolver a medição de qualquer uma das coisas que foram importantes para Jesus, como amar a Deus como todo o nosso coração e alma e força e amar o próximo como a nós mesmos (Mc 12.28-34). Mas amaria pegar o jornal numa manhã e ler sobre a porcentagem das pessoas que ofereceram a outra face, amaram seus inimigos, alimentaram os famintos, deram um copo d'água ao sedento, acolheram o estrangeiro... (Mt 5.38-48; 25.31-46). Mas não é isso que acontece, porque nosso sistema de medição é baseado em valores muito estranhos ao reino de Jesus Cristo.

Nos funerais,a economia dessas medidas de sucesso quase nunca se transforma em elogio. Ainda não vi nenhum membro de uma família em pé ante a congregação recontado os dólares que foram adquiridos pelo defunto. Eles querem que pensemos que essa pessoa foi amável e gentil, mesmo que isso não seja a verdade. Este sentimento ilustra que em nossos corações sabemos, só nós sabemos, que a luz da eternidade gastamos nossas vidas sendo avaliados pelos padrões errados. Então, por que nos aborrece tanto quando Deus em sua infinita graça quer nos salvar do sucesso do mundo?

Jesus Foi Um Péssimo Vendedor.

É um grande desafio para pregadores apresentar os ensinamentos de Jesus às suas congregações que vivem num mundo dirigido pelo sucesso.Os membros da minha congregação ouvem toda semana, de várias maneiras, que são essencialmetne consumidores. Eles ouvem que sua dignidade está diretamente relacionada ao seu poder de compra, e que seu poder de compra está ligado a quão duro eles têm trabalhado. Como consumidores têm direitos à qualidade de bons serviços aos melhoes preços possíveis porque trabalham muito para conseguir seu dinheiro. Então, no domingo eles correm para Jesus, que recusa a oferecer descontos e negociar ou deixá-los à mercê dos seus caminhos. Ao contrário, ele os alerta sobre o custo excessivo em ser seu discípulo. "Se alguém vem a mim, e não aborrece a seu pai e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo" (Lc 14.26).

O que Jesus quis dizer quando falou que o primeiro seria o último? O manso geralmente não herda nada, com certeza não nesta terra. Se alguém roubar meu casaco, apenas agradeço porque o ladrão não levou o sobretudo também, e geralmente não costumo oferecê-lo. Imagine-se solicitando um empréstimo hipotecando sua casa e dizendo ao gerente do banco, "não acumulo tesouros sobre a terra nem me preocupo com o amanhã, porque o amanhã trará as suas próprias preocupações" (Mt 6.19,34).

Como pregador sou tentado a descobrir alguma maneira de diluir as palavras de Jesus a fim de vendê-las à congregação, como se eu também acreditasse que eles fossem consumidores. Eles não sabem o que fazem com isto, digo a mim mesmo. Eles vêm aqui para achar alguma coisa que os ajudará a suportar a semana. Se eu não der isso a eles, irão para qualquer outro lugar. Depois disso eu sei que vou ter que gastar um tempo a mais dem oração antes de retornar e escrever meu sermão. Minha própria orientação de um pregador de sucesso me levou a entender os membros do corpo de Cristo como compradores e a mim mesmo apenas como mais um vendedor ambulante. Em oração, eu confesso e tenho os relacionamentos fortificados. Não tenho que banalizar Deus para que Ele seja aceito no dia a dia. O teólogo H. Richard Niebuhr sustentava que a igreja nunca é tão mundana do que quando "ela pensa em si mesma como a responsável pela sociedade perante Deus mais do que Deus perante a sociedade".



Meu chamado é medonho mas geralmente muito simples. Vejo-me como alguém que entrega a Palavra de Deus e não como alguém que a resgata. É claro, as palavras de Jesus são escândalo para aqueles que estão acostumados a salvar suas vidas. Mas se os pregadores continuam oferecendo princípios cristãos para se tornarem mais eficazes e prósperos num mundo que está sendo liderado na direção errada, nós simplesmente ajudamos nosso povo a se afastar mais rápido de Deus.

Algumas igrejas têm reconhecido este perigo e chamam seu povo para trabalhar firme vivendo estes ensinamentos difíceis de Jesus. Os pregadores destas congregações vestem a carapuça de João Batista, regularmente chamando os cristãos verdadeiros para evitar o mundo que está quase literalmente no inferno. Eles preparam padrões de conduta e crença que são normas de um povo santo e os incentiva a trabalhar mais esforçadamente e tornarem-se mais prósperos no reino e com uma direção própria, vidas santas.

Os ensinamentos de Jesus não são difíceis; eles são impossíveis. Aqueles que primeiro ouviram a declaração de Jesus de que o homem rico é semelhante a um camelo tentando passar através do fundo de uma agulha ficaram chocados. Eles perguntaram, "Então quem poderá ser salvo?" A resposta do Salvador foi que, enquanto é impossível ser um cristão, todas as coisas são possíveis com Deus. Isto sempre, semper nos leva de volta para receber a graça.Mas se estamos acostumados a ganhar a vida à nossa própria maneira, nada poderia ser mais duro.

M. G. Barnes

2 Comments:

Blogger Carlosrzz said...

Meu querido Pastor Josemar Bessa muito oportuno este artigo e realmente uma triste realidade do mundo atual tanto ai no Brasil como aqui nos EUA, aproveitando a deixa copiei o seu artigo e colei no meu blog http://acoisaprincipal.blogspot.com/
fique na Paz....aquela que excede todo entendimento.

Carlos Rizzon

11:37 PM  
Blogger Edson Ricardo said...

Meu Amado,parabens pelo artigo muito concisso e eficaz.Como é bom encontrar irmaos comprometidos em falar a Verdade sem "arrodeios", como diriamos nos aqui do nordeste rs!!!Abraços e Deus te abencoe.

S.D.G

edricardo_8@hotmail.com

7:54 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home